Viver o absurdo

Eu vivo o absurdo[1], os pensamentos torturantes de um dilema sem solução, entre crises niilistas e esperança. É uma crise sobre perceber que existe e que isto pode vir a cessar. Em tempos é fácil lidar com isto e viver, em outros surgem dias depressivos, ironicamente isto parece cíclico, assim como a contradição da vida. Esta questão sufocante da existência é bem apresentada num ótimo debate entre dois exímios pensadores brasileiros, Abujamra, com argumentos niilistas, e Cortella com argumentos agnósticos teístas no programa Provocações da emissora TV Cultura. Veja abaixo.


1. Em filosofia, “O Absurdo” se refere ao conflito entre a tendência humana de buscar significado inerente à vida e a inabilidade humana para encontrar algum significado. Nesse contexto “absurdo” não significa “logicamente impossível”, mas sim “humanamente impossível”. O universo e a mente humana não causam separadamente o Absurdo, Absurdo surge pela natureza contraditória de ambos existindo simultaneamente. [link]


Antônio Abujamra:

[…] Agora no Brasil, o povão aceita a vida após a morte e os que tem curso universitário também acreditam na vida após a morte. Por que?

Mario Sergio Cortella:

Porque não há possibilidade de se aceitar o fim, o término. O provisório, o passageiro da vida, ele é muito incomodo para nós, nós buscamos um pouco mais o permanente, e o permanente é exatamente a possibilidade de não haver cessação dessas condições de vida. Eu volto a um argumento, a vida perderia sentido se fosse só isso, se fosse esta turbulência do dia a dia, essas questões você busca cada vez mais viver, preparar-se, existir, relacionar-se com outros e depois tudo acaba. Pode até ser que seja assim, ou seja, que tudo acabe, mas não pode que nós aceitemos que assim seja, porque aceitar isso implica em banalizar o próprio sentido da palavra vida.

Antônio Abujamra:

Ou não, ou não.

Mario Sergio Cortella:

Dar a ele qual sentido? Que nós somos uma unidade de carbono?

Antônio Abujamra:

Não vamos falar assim, vamos falar umas coisas mais cruéis pra você. Pascal: “Caminhar no incerto”; Clarice: “O risco”; Sabe, o risco que interessa na vida. Mais… mudar. Mudar constantemente. […] Se você tem mais medo da mudança que da desgraça você não impede a desgraça. A vida como está agora é o suficiente.

Mario Sergio Cortella:

Mas ela é uma contradição o tempo todo.

Antônio Abujamra:

Mas isso é maravilho… o rei da incoerência nós temos que ser. […]

Quando fica no abstrato dá uma angústia, né?

Anúncios

Concorda, discorda, quer debater? Diga sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s